segunda-feira, setembro 28, 2015

Salada quente de bacalhau, grão-de-bico, ovo e cenoura

Boa tarde meus queridos

Peço imensa desculpa na minha ausência em receitas mas tenho tido imenso trabalho que no final do dia já nem consigo olhar para o computador.

A receita que trago hoje é de uma simples salada quente, ótima para estas noites de Verão/Outono.

Salada quente de bacalhau, grão-de-bico, ovo e cenoura
Receita
Ingredientes (para duas pessoas)
1 embalagem de bacalhau desfiado (se for salgado, demolhar em 24 horas);
1 cenoura grande;
200 gr de grão-de-bico (usei o de frasco)
2 ovos;
1 cebola média;
Azeite (usei da Mazal);
Salsa a gosto;
Sal q.b.

Cozer a cenoura cortada aos cubos ou rodelas e os ovos (podem usar a mesma panela);
Cozer o bacalhau (devem temperar o bacalhau com sal já nesta fase);
Depois do bacalhau cozido, desfiar o máximo possível o bacalhau. 
Colocar o bacalhau numa taça grande. Lavar bem o grão-de-bico e aquece-lo durante 2 minutos em água quente (ou 1 minuto no microondas). Depois de aquecido, juntar o bacalhau.
Picar bem a salsa e a cebola e misturar com o bacalhau e o grão. Eu uso bastante salsa. Nesta etapa também coloco o azeite.
No final dispor por cima a cenoura e o ovo cortado em rodelas. 
Se acharem que ficou seco, podem colocar mais um pouco de azeite. 

Fácil, muito fácil, mas mesmo assim deixo a ideia ;)



Salada de bacalhau, grão-de-bico, ovo e cenoura
Beijinhos

Io Healthy Kitchen 

quinta-feira, setembro 17, 2015

O que ter em conta numa alimentação saudável?

Boa tarde queridos

Como corre a vossa semana? A terminar não é? Pelo menos vamos ter uma despedida do Verão em condições ;)

Hoje não trago nenhuma receita, trago um artigo. Este artigo foi escrito por mim para uma das edições da Gazeta da minha freguesia.

O artigo é sobre: O que ter em conta numa alimentação saudável!!!

Quando ouvimos falar sobre alimentação saudável, ficamos assustados como se tivéssemos a falar de um bicho papão. Este é o primeiro impacto, mas não deveria ser assim.

Quando falamos de alimentação saudável não estamos a falar necessariamente de dietas restritas, pois é isto que assusta as pessoas e ficam logo a pensar que vão ter de passar o dia todo a alface e que tudo o que gostam de comer vai ser retirado da sua rotina alimentar.
Se as pessoas soubessem que podem ter uma alimentação saudável carregada de sabor e alegria, não víamos tantas notícias, nomeadamente sobre o nosso País, em que muitos anos de vida são tirados aos portugueses à conta daquilo que comem. Temos de ser sinceros, o ar já não é o mesmo que se respirava antes, os produtos vindos da agricultura, pecuária e da pesca já não têm a mesma qualidade que antigamente, por isso temos de ser cada vez mais exigentes na escolha dos alimentos que colocamos na mesa. Nós adultos ainda vamos tentando, mas as crianças? Se não forem os pais a incutir bons hábitos alimentares na mesa, eles nunca tomarão iniciativa própria, pois nem na escola é incutido esse dever.

Se nós sabemos que o nosso estilo de vida (e não estamos só a falar de comida), influencia futuras patologias, porque não jogamos pelo seguro? Temos de encarar isto como uma nova maneira de estar na sociedade, e que esta mudança vai melhorar de todo a nossa saúde e bem-estar.

Pronto, agora que percebemos que ter uma alimentação saudável é crucial, por onde havemos de começar? Primeiro, não ir pelas modas. Isto é muito importante...A vizinha do lado até pode estar toda tonificada e com um ótimo aspeto, mas não sabemos o que está detrás daquilo tudo. Por isso temos de estabelecer metas, objetivos (perder peso, aumentar, tonificar, melhorar a performance, melhorar o rendimento, questões de saúde...). E claro, conciliar uma boa alimentação com a atividade física, sim conciliar. Não podemos pensar que podemos comer um pacote de batata-frita inteiro só porque de seguida vou estar 2 horas no ginásio...lamento mas não é assim que funciona. O exercício é um complemento, não uma salvação dos pecados. Podemos sim cometer pecados, devemos sim satisfazer os nossos desejos, desde que não se torne um hábito. Aquele pensamento que temos em que depois de um dia (ou mais) de exageros temos de ir 24 horas para o ginásio, fazer uma semana detox, tomar depuralina dia e noite é só coisinhas que as revistas querem vender, é mito.

"Comer hidratos de carbono engorda". Este é o principal problema das pessoas, principalmente para aquelas que querem perder peso. Quando as pessoas resolvem iniciar uma "dieta" sem acompanhamento, a primeira coisa que tiram são os hidratos (quase todos). Ou é por causa do glúten ou porque a vizinha do lado que é toda boa não come. Hidratos de carbono são a nossa fonte de energia (apesar de podermos ir buscar energia a outras fontes). Sem esta fonte, ficamos sem concentração, sem força para o treino, com mais vontade de ir atacar a pastelaria toda do lado pois o cérebro sente a falta de alguma coisa. O nosso corpo funciona assim. No que toca aos hidratos o segredo está em saber escolher as boas fontes. Dar preferência aos cereais integrais (os puros, não as versões industrializadas do supermercado), às leguminosas (sim comer feijão, ervilhas, grão-de-bico...), apostar na batata-doce, comer fruta e muitos legumes. Tudo o que for refinado, processado não vale a pena, só estarão a inflamar o vosso organismo.

"Gorduras, nem pensar, só azeite e já estamos a abusar". Mito nº 2. Se nós olharmos bem para pirâmide (ou roda) alimentar os lípidos estão lá, é um dos macronutrientes essenciais ao funcionamento do nosso organismo. Mas então posso comer manteiga às carradas? Não, temos de dar preferência aos lípidos bons (não vou entrar em nomes científicos), como o azeite, ovos, frutos secos, sementes, abacate, salmão, cavala, sardinha, óleo de coco. Se gosta de manteiga  coma com muita moderação já que a maioria dos cremes vegetais de barrar são venenos e mais inflamatórios que a própria manteiga. Escolha uma de animais de pasto e não aqueça (cuidado com as torradas). Ora tanta coisa afinal que podemos comer.

"Vou comprar tudo que é light, sem calorias, magro e esses todos com "s/" qualquer coisa". Para não falar que esses produtos custam os olhos da cara, eles nem são assim tão bons como parecem. Vejamos, para eles ficarem com esta denominação (light, magro, sem calorias...) foram retirados alguns dos seus compostos certo? Mas como é que eles conseguem manter aquele maravilhoso sabor? É por estarem carregados de aditivos. Já olharam bem para um rótulo de um iogurte magro? A lista infindável de ingredientes que tem? Oses e mais oses (açucares escondidos). Optem sempre por produtos o mais naturais possíveis e estejam atentos aos rótulos.

"Gosto tanto de ovos, mas eles engordam horrores". Coitados dos ovos, já lhes puseram a culpa de todos os males. Fazem tão bem à saúde. Comam ovos com moderação, são uma ótima fonte de proteína. Agora tenham em atenção ao tipo de ovos que comem e a maneira como o confeccionam. Dêem preferência aos ovos cozidos, escalfados, mexidos e estrelados sem gordura adicional. Comprem ovos caseiros e de confiança. A maioria dos ovos que vemos no supermercado são de gaiola (têm o nº 3 na casca), são mais fracos a nível nutricional e têm menos quantidade de Ómega 3. Daí a importância de escolher os biológicos ou os de campo (que têm o nº 1 na casca).

"Dieta sem glúten, sem lactose, essa é que enxuta as gorduras de verdade". Nem me vou estender neste ponto. Este tipo de dietas estão destinadas a pessoas que sofram de intolerâncias alimentares e outras patologias associadas. Estamos a privar de nutrientes que depois não conseguimos compensar com outros produtos, para não falar que esses produtos novos que existem com a palavra "s/" atrás são autênticos venenos.

Não adianta ir em histórias e fazer a dieta só dos 30 dias. Faça isto por gosto e por prevenção. Veja o que pode mudar aos poucos. Nada que faça bem à saúde terá resultados rápidos, podem demorar, mas depois a sensação é ótima. E faça isto um estilo de vida, o seu corpo agradece e a saúde também.

Beijocas,

Io Healthy Kitchen

segunda-feira, setembro 07, 2015

Pão de espelta, centeio, sementes de sésamo e chia.

Boa tarde meus queridos

Uma ótima semana para vocês. 
A receita que trago hoje tem haver com um alimento que não pode faltar numa casa portuguesa, o pão. Este alimento faz parte da nossa tradição há anos e tem vindo a sofrer muitas alterações. Esta situação do sal, do trigo e afins tem modificado imenso o fabrico do pão. 
O pão como vilão?
O pão tem vindo a ser um alimento retirado da alimentação devido ao uso da farinha de trigo refinada (açucares de rápida absorção), responsável pela inflamação e consequentemente ganho de peso (massa gorda). Por isso cada vez mais vemos à venda pão de isto e pão daquilo, mas quando vamos ver a sua constituição até me assusto. Os únicos sítios onde eu vi pão de verdade (aveia, centeio, arroz, espelta) foi no Celeiro, BrioBiológico e Amor Bio. Pães que levam apenas as farinhas, o sal e a água. 
Já experimentei o pão de aveia e do de centeio integral e gostei muito...e questionei-me: porque razão não fazer este pão em casa?

E pronto, ontem foi o que andei a fazer. Atenção, isto requer tempo ou então se tiverem uma máquina de pão estão safos. Como não tenho, fiz pelas minhas próprias mãos.
Para o pão que confeccionei ontem levou:

400 gr de farinha de espelta semi-integral;
100 gr de farinha de centeio;
15 gr de fermento fresco (ou de padeiro);
Sal q.b. (eu usei uma colher de chá mas devia ter colocado um pouco mais);
300 ml de água morna (poderão precisar de mais);
2 colheres de sopa de sementes de sésamo;
1 colher de sopa de sementes de chia (usei da Outros Montes);
Azeite para untar a forma (usei da Mazal):

Produtos usados com parceria no blog (Mazal e Outros Montes)

1º processo:

Misturar bem as farinhas e as sementes na bacia. Fazer um buraco no meio.
Em 150 ml de água morna (não pode estar quente) dissolver o fermento.
Colocar esta água no buraco das farinhas. 
Ir raspando a farinha aos poucos para dentro da água até obter uma pasta. Deixar repousar 15 minutos (isto para ativar o fermento);
Dissolver o sal grosso nos restantes 150 ml de água e no fim dos 15 minutos, juntar esta água e misturar tudo. Eu coloquei tudo no robot e em 1 min tinha a massa amassada. 
Colocar na bacia, fazer um género de uma bola, tapar com película e com um pano da loiça e deixar levedar durante uma hora.

2º processo: 

Após essa hora, vão ver que a massa inchou, por isso vão ter que dar uns murros na massa para sair o gás. Nesta fase já deverão moldar o pão a vosso gosto. Deixar repousar mais 1 hora.  
No final, dei uns golpes com a faca (há quem faça cruzes) que é para o pão rachar só por ali. 
Liguei o forno e coloquei um recipiente com um pouco de água para criar humidade. 
Passado algum tempo coloquei o pão. Ele coze em 30 minutos (aproximadamente). Após 15 minutos de cozedura retirei o recipiente com água para ir tostando. Eu deixei ficar mais uns 10 minutos pois gosto do pão mais estaladiço.

Fiquei muito satisfeita, pensei que o pão ia ficar pedra pois nunca tinha trabalhado com espelta semi-integral. Agora é aperfeiçoar a receita com novos sabores e concerteza que vou comer pão mais vezes dado que o pão das padarias deixa-me inchada e mal-disposta. 
A cozinha ficou a cheirar tão bem, nem imaginam ;) ;)

Deixo algumas fotos do pão:

Massa depois de amassada e pronta para a 1º levedação. 
pão saudável
Pão de espelta, centeio, sésamo e chia.
Pão de espelta, centeio, sésamo e chia.

Pão de espelta, centeio, sésamo e chia (2º versão)
Um beijinho grande e boas receitas,

Io Healthy Kitchen 
Visitem: 

Outros Montes no Facebook
Mazal no Facebook
Io Healthy Kitchen no Facebook
Io Healthy Kitchen no Instagram 

quinta-feira, setembro 03, 2015

Esparguete de legumes

Boa tarde

Como corre essa semana? Já está quase a terminar, é incrível como o tempo passa a correr. Eu não gosto muito, apesar de estar a aproximar-se fim-de-semana, sinto que o tempo está a passar demasiado rápido para o meu gosto.

O que venho trazer hoje é uma receita que já está aqui na pontinha dos dedos a algum tempo, mas...
Mas finalmente chegou ;) Ainda bem pois assim já a podem fazer para logo ao jantar.

Desde que me ofereceram no aniversário acessórios para cortar legumes que não tenho feito outra coisa sem ser, esparguete de legumes. Para além de ser delicioso e saudável, é bem colorido e dá vida ao prato. 
Podem escolher diversos alimentos, desde a courgete, cenoura, pimentos, couve-coração, entre outros. E a parte da aromatização é outra coisa que me deixa maravilhada.

Para a courgete, cenoura e pimentos uso o acessório verde da foto, para a couve-coração corto muito fino com uma boa faca. 

As combinações que fiz foram:
  • Esparguete de courgete e cenoura aromatizada açafrão das índias;
  • Esparguete de couve-coração, pimento verde e courgete aromatizado com sementes de cânhamo e manjericão. 

Por isso os ingredientes são:
Courgete;
Cenoura;
Couve-coração;
Pimento-verde;
Folhas frescas de manjericão;
Sementes de cânhamo (uso Outros Montes); 
Azeite (do bom, eu usei da Mazal);
Açafrão das Índias;
Ervas provence;
Alho em pó;
Sal q.b.

É só cortar em tiras os legumes (com o cortador ou com a faca no caso da couve-coração).
Colocar tudo misturado numa wok com azeite e alho em pó, e deixar cozinhar até libertar alguma água. Assim que estiver com água temperar a gosto com o sal e os outros condimentos. No caso de usarem as sementes de cânhamo, só coloquem no final, não cozinhem. O manjericão também só deve ser colocado no final para intensificar o sabor, se o cozinhar ele perde o sabor.

Este acompanhamento é ótimo, acompanha bem quer com peixe ou carne. 

Preparação da courgete e cenoura. 
esparguete de courgete
Resultado final do esparguete de courgete e cenoura.
Produtos utilizados recomendados (sementes de cânhamo Outros Montes e azeite Mazal)
esparguete de courgete
Resultado final do esparguete de couve-coração, pimentos e courgete com sementes de cânhamo e manjericão
Espero que gostem, partilhem e dêem a vossa opinião ;)

Um beijinho,

Io Healthy Kitchen 

Outros Montes no Facebook
Mazal no Facebook
Io Healthy Kitchen no Facebook
Io Healthy Kitchen no Instragam 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...